terça-feira, 16 de janeiro de 2018

Minha cirurgia Refrativa (miopia) - Método PRK

Olá pessoal!
Hoje eu vou contar para você sobre a minha cirurgia refrativa. Já faz tempo que eu fiz, na época pesquisei bastante sobre ela e encontrei alguns relatos de quem já havia feito, então sei como é importante dividir minha experiência com quem deseja fazer esta cirurgia.
Queria ter feito este post antes, mas acho que por um lado foi bom demorar um pouquinho... (ou poucão! Rsrs...), assim posso contar para vocês também sobre uma dúvida (e medo!) muito comum de quem vai fazer este procedimento, que é a volta do grau de miopia (ou Hipermetropia, Astigmatismo e Presbiopia, caso um destes seja seu caso).

Antes de continuar, você já conhece nosso canal no YouTube? É novinho em folha! Dá uma passadinha lá depois ;) É só clicar AQUI!

Eu descobri a miopia quando estava na faculdade de Direito, com uns 19 ou 20 anos. Eu sentava no fundo da sala, mas estava com dificuldade de ler as escritas do quadro. É engraçado, mas a miopa é que nem tragédia, a gente nunca acha que vai acontecer com a gente, então eu nem imaginava que aquilo era miopia. Eu na verdade não sabia o que estava acontecendo comigo, e comecei a sentar mais pra frente... Até que um dia, olhando para o quadro e apertando os olhos, meu professor tirou os óculos e fez sinal, mostrando eles pra mim. Aquilo foi como uma BOMBA na minha cabeça! VOU TER QUE USAR ÓCULOS!!!
Foi horrível... Fiquei triste pra caramba... E não mandei fazer os óculos. Sentei na primeira fileira. Porém a miopia teimava em me perseguir, e algum tempo depois, nem da primeira fileira eu enxergava, nem mesmo dando aquela inclinadinha na cabeça para frente. Foi aí que fiz meus primeiros óculos... Não vou negar: odiei. Tivemos um caso de amor e ódio com eles, porque eu precisa deles, mas ao mesmo tempo os odiava!
Mesmo meu grau não sendo dos maiores, me incomodava MUITO! Começou com 0,5, e antes da cirurgia eu já estava com 2,5 em um e 3,5 no outro olho. Além de eu detestar usar óculos, eu não tinha jeito com eles! Em um deles eu sentei em cima e a lente quebrou (fiquei mó tempão usando aqueles óculos quebrados! Kkk). O outro paguei caríssimo em uma armação da Ana Hickmann (olha o merchan!! Kkk) e perdi algum tempo depois. Que decepção! Além disso, eles me incomodavam muito o nariz... Enfim, eu não me acertava com eles! Mas sem eles, não reconhecia as pessoas na rua. Nossa, cansei de passar por conhecidos e não reconhecer, porque só enxergava um círculo e duas bolinhas (os olhos!!!) ao invés do rosto da criatura! Muito chato isso... Piorava mais ainda quando a pessoa chamava e perguntava: “Não me reconheceu???” Aí tinha que dar toda aquela explicação: “Não, é que eu sou cegueta mesmo!!!” E quando tinha que pegar ônibus então!! Quando o bendito tava em cima é que eu conseguia ler o destino, aí já era tarde demais e ele se ia, me deixando ali... Mó tristeza (embora tristeza de verdade mesmo seja andar de ônibus no Brasil!).
Como eu não me adaptava aos óculos, passei a usar lentes, e realmente por um lado era maravilhoso, exceto quando batia um vendo e soltava as lentes dos olhos ou quando chegava em casa e retirava as lentes, daí não enxergava nem um palmo na frente dos olhos! Kkk
Comovidos por todo esse “sofrimento”, meus pais resolveram me dar a cirurgia.
Então chega de conversa que agora eu vou contar os detalhes da cirurgia pra vcs! J
Fiz a cirurgia em 2011, quando eu tinha 25 anos. O médico que me operou, Dr. Daniel Chirinos Valenzuela, sempre dizia que o ideal era operar após os 22, 23 anos, porque nesta idade a visão já se estabilizou. Este médico atende no município de Cachoeirinha (RS), mas minha cirurgia foi em Porto Alegre.
A cirurgia que eu fiz se chama PRK (Ceratectomia Fotorrefrativa). Esse foi o método escolhido pelo meu médico para o meu caso.
Para quem não sabe, a cirurgia refrativa consiste em uma luz ultravioleta que remodela a superfície da córnea e modifica a sua curvatura para corrigir os erros.
Primeiramente é aplicada a anestesia, que é um colírio anestésico. O tormento já começa aí, porque você não é sedado ou anestesiado totalmente (eu voto para que esta cirurgia seja aperfeiçoada para que possa ser feita com anestesia GERAL!!). Você fica ali, acordada assistindo tudo e sentindo tudo, inclusive o cheiro de carne queimada que eu vou contar mais pra frente. Eles colocam um aparelho que mantem seus olhos abertos, BEM ABERTOS! Inclusive, a visão de quem vê a pessoa ali com os olhos extremamente arregalados naquele negócio, deve ser HORRENDA! Bem, depois é feita uma raspagem (O TORMENTO: PARTE 2) para remover a camada externa do tecido corneano, o epitélio da córnea. Não querendo desanimar quem está para fazer a cirurgia, mas esta parte é terrível!!! Mas também existem outros tipos de cirurgias, como a Lasik, por exemplo, que ao invés da raspagem, é feito um corte chamado “flap”, e pode ser que seja melhor (ou menos pior). Na raspagem, embora não se sinta dor, exatamente, se sente uma sensação horrível, como se estivessem passando uma lixa de unhas nos seus olhos! É muito ruim!!! Me lembro bem deles removendo depois algumas coisas, que acredito que eram as raspas retiradas dos meus olhos, e aqueles momentos foram REALMENTE HORROROSOS!
Depois disso o médico me deu as instruções, que eram: “você vai ver duas luzes, uma vermelha e uma verde; Olhe fixamente para a luz VERDE!” (O TORMENTO: PARTE 3 começava.) Meu médico tem um estranho sotaque, não sei de onde ele veio, mas creio firmemente que não é brasileiro, então eu tinha bastante dificuldade de entender algumas coisas que ele falava, isto já desde as consultas, mas na hora da cirurgia, com o nível de adrenalina lá em cima, isso ficou um pouco pior... Então eu acabava perguntando novamente o que ele falava, kkk (até pra ter certeza, imagina fazer a coisa errada naquele comento!?). Aí começou a ser feita a aplicação do laser, só que os olhos começam a lacrimejar DEMAIS e você já não consegue enxergar luz nenhuma! Nem verde, nem vermelha, nem nada! Daí bate aquele desespero!!! CADÊ A LUZ, CADÊ A LUZ, CADÊ A LUZZZZZZZZZZ?????????????????????????????
Gente, é sério: é desesperador! E o pior era o médico falando enrolado pra mim: “olhando na luz verde, não desvia o olho”. Gente, socorro né!? Será que ele não sabe que a luz some em meio às lágrimas??? Insensível... kkk
Brincadeiras à parte, ele falou algumas milhares de vezes para que eu não desviasse os olhos da luz verde durante o procedimento. Isso me deixava bastante nervosa, já que eu não enxergava mais a luz.
No meio de tudo isso, começou a exalar um odor muito “trash” de CARNE QUEIMADA (O TORMENTO: PARTE 4). Sério, era um cheiro horrível!!
Eu estava atormentada com aquilo... Era um mix de sensações ruins que eu não gostaria de sentir novamente de JEITO NENHUM... Porém, estava terminando apenas o primeiro olho. Eu juro que a minha vontade era de levantar e sair sem fazer o segundo olho!
Então ele fez o mesmo procedimento no segundo olho (O TORMENTO: PARTE 1, 2 3 e 4 de novo...) e finalizou com uma lente de contato terapêutica, que serviu como curativo. Tudo isso em cerca de 5 ou no máxima 10 minutos, mas que pareceram uma eternidade!
Sabe aqueles segundos que demoram uma eternidade pra passar? Então, bem assim.
Eu levantei da maca de cirurgia já reclamando: nunca mais faço isso na minha vida!
Um enfermeiro que estava junto disse sorrindo: provavelmente você não vai mais precisar.
Deus o ouça...
Depois o médico me disse que acertou em escolher o método PRK ao invés do Lasik, porque segundo ele, eu não parava de mexer os olhos... kkk.
Mas pra não falar só do sofrimento, bora relatar as coisas boas: saí da sala de cirurgia já enxergando! Gente, é MÁGICO! Essa parte realmente é recompensadora!
Antes de ir embora, eles colocaram um tipo de tampão plástico transparente e furadinho nos meus olhos, para proteger, especialmente para evitar que no impulso a pessoa aqui esquecesse e coçasse os olhos. Depois da cirurgia, como qualquer outra, tem que utilizar os medicamentos receitados, alguns colírios.
Um detalhe interessante é que os olhos ficam lacrimejando MUITO!! Você fica chorando rios de lágrimas sem conseguir controlar, e isso é outra coisa bem estranha! Rsrs
O pós-operatório é chatinho, porque você sente um incômodo na visão, uma ardência chata, sensação de areia nos olhos...
Como eu li muito sobre a cirurgia na época, fiquei com medo de que as lentes grudassem nos olhos, pois vi o caso de uma pessoa que isso aconteceu e para retirar depois foi bem sofrido, então eu caprichava na aplicação dos colírios, que serviam também para evitar que isso acontecesse, o que não aconteceu comigo \o/. Nos relatos que li, muitas pessoas disseram ter ficado com medo de fazer o procedimento após verem vídeos desta cirurgia, então eu optei por NÃO olhar (e não me arrependo!).
Um fato que aconteceu comigo, 1 ou 2 dias depois da cirurgia, foi que meu namorado na época, hoje meu marido, bateu sem querer em um dos meus olhos e doeu BASTANTE!! Esse olho que foi agredido (kkk) começou a lacrimejar mais ainda, parecia uma cachoeira! Foi bem chato... Então, se você for fazer a cirurgia, atenção: cuidado redobrado e saia de perto de pessoas desastradas!
Depois da cirurgia é preciso fazer acompanhamento com o oftalmo, e no meu primeiro teste de visão após o procedimento eu gabaritei a prova! \o/ Acertei todas as letrinhas e números! Foi demais!
Hoje, quase 7 anos após a cirurgia, posso dizer que SIM, infelizmente um pouco da miopia voltou. Tenho um pequeno grau, que nem sei de quanto é, pois nos últimos exames que fiz, há alguns anos atrás, ele nem foi detectado. Pela minha experiência como míope (rsrsrs) creio que seja 0,5%. Espero que não continue crescendo, mas essa era uma possibilidade que fora, inclusive, adiantada pelo médico antes da cirurgia.
É fato que é preciso usar (segundo o meu médico) um colírio lubrificante para o resto da vida, porém eu confesso que por ser CARO DEMAIS e ter um pingo de nada dentro da embalagem, uso por um tempo e quando acaba demoro alguns séculos para comprar de novo, e assim vou levando... Não tenho problema de vistas ressecadas, que é uma possibilidade que dizem existir. Procuro cuidar e utilizar óculos escuros de boa qualidade no sol, como recomendado pelo médico (é bem mais barato que comprar colírio! Rsrs) e exercitar a minha visão. Você não sabe o que é isso??? Então prepara que eu vou te contar rapidinho aqui: Como eu trabalho em frente ao computador, olhando perto 90% do tempo, faço pausas e vou até um espaço aberto ou uma janela e olho à distância. Procuro objetos distantes e tento focar neles, enxergar os detalhes... E se não enxergo bem, fecho os olhos, mentalizo esses detalhes (isso é sério, pois nosso cérebro também é responsável por aquilo que enxergamos!) e depois abro novamente, e funciona muito bem! Faça isso! Exercite seus olhos, mesmo que você não tenha feito a cirurgia, pois faz um bem enorme a visão!
Bem, finalizando, a cirurgia refrativa, apensar de sofrida, me trouxe VÁRIOS benefícios MARAVILHOSOS!!! Valeu a pena? SIM, hoje posso dizer que valeu. Mas se a pergunta for: faria de novo? NÃO, porque realmente são momentos bem horríveis durante o operatório.
Se você pensa em fazer, tome coragem e vá em frente! Cada pessoa reage de forma diferente e talvez você tire tudo de letra! Desejo que dê tudo certo a você!


Muitos bjux!!!


Nenhum comentário:

Postar um comentário

Obrigada pela visita!
Deixe seu comentário, sugestão ou crítica.
Volte sempre!

Bjnhos!